Muito embora a estética tenha definido o belo de forma racional, a beleza é um padrão que muda com a época e a cultura de cada sociedade. Isso nos leva a pensar que existem diferentes tipos de beleza. Valorizar este ou aquele parece estar associado às crenças e necessidades dos povos e civilizações. Vamos aqui passear por alguns períodos da história da arte e refletir um pouco sobre os padrões de beleza do corpo humano ao longo do tempo.

Beleza Romântica

As correntes artísticas, como já observamos, vêm se opondo em relação às antecessoras na essência filosófica que as norteiam, mas não há limites definidos no tempo que indiquem começo e fim das correntes artísticas e culturais. Sabemos que muitas escolas coexistem por longos períodos, porém, para o propósito de nossa reflexão sobre os modelos da beleza na história da arte, seguimos uma linha do tempo sequencial das obras observadas.

No movimento romântico, podemos dizer que cultuavam-se duas  belezas. Uma era a da burguesa, matrona com muitos filhos, gorda de seios fartos e virtuosa. Retrato da maternidade bem sucedida e do casamento com o homem abonado. A outra, cantada pelos poetas, tinha a beleza associada à melancolia e à doença. As moças deviam ser magras, pálidas, com olheiras, cabelo rebelde e comportamento recatado. Essa dualidade denota um comportamento machista.

slide_367800_4206052_free

A Maja Nua, de Francisco de Goya, 1797 – 1800, Museu do Prado. Tem um olhar que acompanha o observador e o desafia a apreciar suas formas. Satisfeita com a própria aparência, expressa a sensualidade. Representa a beleza boêmia cantada pelos poetas românticos.

Beleza Moderna

A arte moderna compreende um período que vai do final do século XIX aos meados do XX. Contempla uma diversidade de estilos e abre um leque de formas de representar e pensar a beleza, chegando até a desconstruí-la.  Para a nossa reflexão sobre os padrões de beleza ao longo dos tempos, chegamos a uma encruzilhada com vários caminhos a experimentar. Que beleza! Parece que a ditadura dos padrões estéticos começa a se abrir para a diversidade.

clio-team-1907-picasso-les-demoiselles-davignon-young-ladies-of-avignon-huile-sur-toile-2439x2337-cm-157DE5884EE13878F30

Entre as diversas expressões do modernismo (Impressionismo,  expressionismo, surrealismo, concretismo, pop art e outros) ficamos aqui com a pintura de Pablo Picasso, em seu estilo cubista. “Les Demoiselles d’Avignon” de 1907. Apesar de polêmica, a obra traz propósitos intrínsecos que nos conduzem a uma experiência estética fora do convencional.

As figuras femininas, em suas formas distorcidas pela visão multifacetada do cubismo, chegaram a merecer críticas e suspeitas de loucura por parte de marchands e renomados artistas da época. Mas é impossível não enxergar uma beleza misteriosa e a provocante sensualidade nessas formas que estão completamente fora dos moldes de beleza de qualquer época. Obrigado ao Pablo Picasso e outros artistas por nos mostrarem a beleza de outros ângulos.

Beleza Contemporânea

A despeito da imposição dos padrões que a indústria da beleza e da moda mantêm na mídia, podemos depositar esperança em tempos de valorização da individualidade, da liberdade e da erradicação de preconceitos. As mudanças de paradigmas são cada vez mais rápidas. À arte, rendemos tributo, pois ela preconiza a ruptura dos tabus e nos impele à evolução. A expressão contemporânea explode em diversidade e traz a utopia de um dia chegarmos à valorização de cada ser humano, único como uma obra de arte.

Lixo extraordinário.

Para fechar nossa reflexão escolhemos o artista brasileiro Vik Muniz, sucesso mundial com sua forma inusitada de fazer arte. O filme “Lixo Extraordinário” registra a produção de algumas obras de Vik feitas com resíduos e objetos descartados.

Muniz acompanhou o cotidiano dos catadores de materiais recicláveis do Jardim Gramacho, no Rio de Janeiro.  Eles posaram para fotos que reconstituem obras de Michelangelo,  Caravaggio e Leonardo Da Vinci. Os próprios catadores do lixão, juntamente com o artista, montaram imensos painéis feitos de lixo. Os painéis fotografados ganharam espaço em galerias de arte do mundo inteiro. Na imagem selecionada, grifamos a sensibilidade de Vik, que observa e nos mostra a beleza que a maioria de nós nem pensa em observar. A beleza feminina de uma catadora de papel. A beleza escondida pelo preconceito.

 

O tema arte e beleza é inesgotável e muito envolvente. Acompanhe nosso blog e nos conte as suas opiniões. Se o texto agradou, podemos voltar ao tema pesquisando outros assuntos do mundo das artes que nos ajudem a refletir sobre a beleza, a auto estima e o bem estar.

 

 

Latest Update: maio 05, 2017