Perdendo apenas para a lipoaspiração, o implante de silicone é a cirurgia plástica com maior demanda no Brasil. Turbinar os seios já virou febre entre as mulheres brasileiras, mas as dúvidas sobre a cirurgia são cada vez maiores. E os mitos também. Confira agora alguns esclarecimentos sobre essa cirurgia que noite e dia fazem parte dos assuntos entre as mulheres.

A prótese de silicone

Há inúmeros tipos de prótese (gel de silicone ou solução salina), com variações de volume, cobertura (lisa, rugosa, texturizada ou de poliuretano) e formato da base (redondo, anatômico ou natural). Os tamanhos geralmente ficam entre 125ml e 500ml, fabricadas com variações de 25ml e 40ml entre uma e outra.

O que muitas pacientes se questionam é se realmente precisam fazer a troca das próteses. A verdade é que depende muito da saúde e da manutenção por parte da mulher. Quando há a necessidade de troca, ela ocorre normalmente a cada 10 anos, no entanto, quando bem cuidada e variando de pessoa para pessoa, pode durar mais de 20 anos.

A escolha do método (por onde) escolhido para a colocação da prótese, deve ser feita acompanhada do médico. A altura da prótese depende do perfil de tórax da mulher (alto, baixo e moderado), em função da projeção que se pretende ter da mama. Já o local de incisão pode ser sob o seio, ao redor da aréola ou na axila e a colocação, sob a musculatura peitoral ou sob a glândula mamária. As diferenças entre cada uma são:

  • Aréola: indicado para quem tem aréolas grandes e pele clara e contra-indicada para mulheres com aréolas pequenas. A cicatriz fica no formato de um semicírculo na linha inferior da aréola.
  • Subglandular: técnica mais usada, a incisão é feita embaixo da glândula mamária. O resultado costuma ser um dos melhores esteticamente e o pós-operatório é menos dolorido. Contra-indicada para quem não tem a pele firme nesta região.
  • Submuscular: a incisão é feita embaixo do músculo do tórax. O pós-operatório é mais dolorido, mas a técnica proporciona maior proteção ao implante. Indicada para mulheres com poucas mamas e pele fina. Também pode ser feita na frente (onde é possível implantar qualquer tamanho de prótese) ou atrás do músculo.
  • Axilas: indicado para mulheres com aréolas lisas ou pequenas e para mamas levemente caídas, quando há uma dobrinha embaixo do seio. Contra indicada para quem pratica esportes vigorosos, como musculação ou natação – nestes casos, a prótese pode se mover. A vantagens é que a cicatriz fica na axila e é a menos visível. A desvantagem é que pode acontecer da prótese “subir” e o mamilo ficar para baixo.

Woman examining her breast isolated on white

Dúvidas mais frequentes

  • Com que idade posso colocar silicone?
    A partir de 18 anos, não havendo limite de idade para a colocação da prótese.
  • O risco de contrair câncer de mama aumenta ao colocar a prótese?
    O risco de se contrair a doença não aumenta com o implante de silicone.
  • A prótese atrapalha na amamentação?
    A prótese não atrapalha na amamentação e a mulher pode engravidar três meses após a cirurgia. Já as mães que querem voltar à  antiga forma, o implante de silicone pode ser colocado três meses após o término da produção de leite. A intensidade da dor no pós-operatório independe do fato de a mulher já ter amamentado ou não.
  • A prótese pode estourar?
    É muito raro, mas pode acontecer em situações que envolvam traumas muito fortes como acidentes automobilísticos graves.
  • A prótese sofre o efeito da gravidade?
    Mesmo com a prótese de silicone, as mamas podem cair com o passar do tempo, de acordo com a elasticidade da pele e da glândula mamária da mulher, já que o silicone não tem a mesma característica da glândula.
Latest Update: set 14, 2015